Slow Food: el estilo de vida que promueve la dignidad cultural de tus alimentos

Slow Food: o estilo de vida que promove cultural dignidade de alimentos

Beleza e mundo Feminino

3SHARESComer lento (e não globalizado). Este estilo de vida tem de vir ao mundo, a fim de promover o consumo local e para defender o seu direito ao prazer e ao gosto da boa comida.

Dignidade cultural, a biodiversidade, a cultura alimentar, qualidade de vida e o direito ao prazer e o gosto por alimentos fazem parte da filosofia de um estilo de vida que chamam a si mesmos de Slow Food: a arte de bem comer.

Em uma época em que nós proposta para tornar a vida de uma raça e de uma competição, levar alguns momentos para apreciar o universo que esconde a comer bem, é quase um sonho. A sede para o imediatismo e o medo de perder cada atualização de existência, tem promovido na nossa vida cotidiana péssimos hábitos alimentares, e sim queremos ver bem, tem empurrado os estilos de vida que nos levam a questionar a importância dos alimentos, no sentido social, cultural, ambiental e de saúde humana.

O recente caso da população da China, que está unindo forças com o sofisticado movimento Slow Food, é um exemplo de como recuperar a boa comida valores é possível. Mas, por que é Slow Food? Devido a esse movimento, que é mais um estilo de vida, promove a outros ritmos. O objetivo é colocar a tontura da globalização uma pausa para tomar um fôlego e voltar-se para ver o que está ao nosso redor. Assim, o Slow Food, que é parte de uma proposta de consumo de alimentos sem impacto, orgânicos, locais e não-processados, que, por seu fundador, Carlos Petrini, pode ser conseguido através da produção e consumo de alimentos locais.

Também em Ecoosfera

Adicionar ao movimento Slow Food com o projeto ?Lenta Aldeias?, A China espera para retornar às suas raízes, em termos de agricultura local e sustentável, que não só recuperou a economia, mas que podem trazer grandes benefícios a saúde e o bem-estar para a população, pois será acompanhado por programas de educação sobre de alimentos, culinária, tradição e preservação ambiental. Ainda será uma forma de incentivar os jovens a voltar para o campo e reviver o nobre trabalho de trabalho, algo elementar para a vida.

Comer lento (e não globalizado)

, agora temos testemunhado uma globalização dos gostos. Nunca como agora os paladares tinha estado em contacto com tantos ingredientes e temperos diferentes das cozinhas de todo o mundo. Este foi, sem dúvida, enriqueceu a história culinária quanto ele tem encantado a todos os habitantes do mundo, mas, não poderia ter consequências negativas? Vale a pena dar uma olhada, porque, curiosamente:

A capacidade de produção de alimentos cresceu 100% entre 1960 e 1990,
enquanto a população cresceu 72%
e o indivíduo, o consumo é de apenas 13%

Que é para dizer que a comida cresceu como um mercado, e não tanto para nos alegrar, ou para cuidar de nós mesmos. Este último vem a ser secundário para o capitalismo, o que é demonstrado com o fato de que os alimentos sofrem processos prejudiciais para ser comercializado: por exemplo, o refino da farinha e açúcar , congelados, frutas e legumes, e o uso de hormônios e antibióticos em produtos de origem animal. Para não mencionar que até agora parece não importa muito para as empresas multinacionais ou cadeias de supermercados .

Adicione a isso que a fome continua a ser uma constante:

tem níveis de fome que são sérios, alarmantes ou extremamente alarmante

Além disso, ainda há uma grande lacuna no consumo per capita de alimentos entre os países ?sendo a China, onde o menor tem crescido?. Assim, somos confrontados com uma extrema desigualdade que apela a uma mudança radical. Mas não através do sacrifício de nosso paladar.

É por isso que eles assumem o estilo de vida proposto pelo Slow Food, seria um primeiro passo para mudar essa situação, pois é um chamado para a sustentabilidade local e nacional, para a reativação do campo não por meio de empresas multinacionais, mas os jovens e as famílias, e para reavivamos as tradições culinárias de nossos países, sendo que estas são mais do que suficiente para aguçar nosso paladar enquanto nós gerar uma cultura de boa nutrição e resiliência.

*Referências: Cecena, Ana Esther, e Marin Barreda, Andrés, Estratégica de Produção e de Hegemonia Mundial, Siglo XXI editores, México, 1995
*Imagens: Pxhere

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *